Montagem da exposição Desenhar para ver. O encontro de Bárbara Assis Pacheco com as Galerias da Amazónia

A ideia da exposição surge durante o projecto de Barbara Assis Pacheco no Museu Nacional de Etnologia. Esta ideia foi sendo trabalhada pela equipa do Museu e meses antes da inauguração começou a pintura das paredes da sala 4, a construção dos módulos e a adaptação dos vidros necessários à montagem de vitrinas. A instalação dos objectos e desenhos na sala já preparada decorreu de 11 a 16 de Agosto de 2009.
A equipa de montagem foi constituída por Alexandre Raposo, Cláudia Duarte, Joana Amaral, João André, Manuel Araújo, Paulo Maximino e coordenada por Joaquim Pais de Brito e Bárbara Assis Pacheco.Integram esta exposição 101 Desenhos, 8 dos quais foram doados ao Museu pela autora, e 21 objectos pertencentes às Galerias da Amazónia.

A montagem desta exposição compreendeu a utilização de dez módulos de aglomerado de madeira pintados com tinta sintética branca, que servem de base às vitrinas, de suporte a uma máscara de tukujẽ fêmea Wauja e de delimitação da área ocupada pela máscara cara de macaco Kamayurá que se encontra suspensa.

Para além das vitrinas de vidro com cantos de metal aplicados com silicone e aparafusados, e com base de MDF, foram utilizados dois conjuntos de pranchas acrílicas suspensas, para exposição de desenhos de menor dimensão, aí fixados com recurso a fita-cola de dupla face.

A localização e a forma de colocação dos objectos em exposição, a posição relativa dos módulos e vitrinas e as respectivas dimensões são sempre registadas numa planta. Esta planta faz parte do relatório elaborado sobre cada montagem de exposição onde também estão descritos todos os sistemas expositivos.

Tanto as aguarelas como os objectos que integram esta exposição foram colocados por diferentes métodos:

Desenhos
Pregadas à parede em dois pontos superiores com fio de nylon em tensão de um prego ao outro; fio de nylon na parte inferior do desenho, em tensão em dois pontos de fita-cola colados à parede.

Pregados a módulos em dois pontos superiores e inferiores com fio de nylon em tensão de um prego ao outro, bem como a aplicação pontual de fita-cola dupla no verso dos desenhos.

Pregados superiormente a telas pintadas com tinta sintética branca, com fecho de plástico pelo verso.

Suspensos em vitrinas por fios de nylon e molas de metal.

Colados com fita-cola dupla em pranchas de acrílico.

No módulo, entre vidros e apoiados em pequenos elementos de plástico colados ao vidro.

Objectos
Suspensos por fios de nylon.

Suspensos por fio de nylon e com suporte em acrílico.

Nas vitrinas com suporte em acrílico.

Nas vitrinas com suporte em vidro.

Nas vitrinas sobre a prateleira de vidro.

No módulo com suporte em madeira.

Na vitrina sobre módulo e cell-aire®.

Desta forma se consegue ter um registo exacto da exposição. Outra vantagem é que é possível fazer uma monitorização muito bem documentada dos objectos garantindo que os sistemas de exposição não são responsáveis por qualquer tipo de degradação.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s