8º Encontro Ibero-Americano de Museus, em Outubro, no MNE

9ee031d5c860645fa6f1c22145ee9b96

Nos próximos dias 13, 14 e 15 de Outubro decorrerá, no auditório do MNE, o 8º encontro Ibero-Americano de Museus, cujo tema será: “Caminhos de futuro para os museus ibero-americanos: tendências e desafios na diversidade”. A organização é da DGPC e da IBERMUSEU.

Os objectivos do encontro são: profundar o conhecimento mútuo das realidades museológicas dos países ibero-americanos; proporcionar ocasiões de reflexão em torno do estado da questão das políticas públicas para museus; apresentar e debater ideias e linhas de futuro para a evolução dos museus ibero-americanos; servir de plataforma entre a Ibero-América, a Europa e o espaço da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa), tirando partido da circunstância de Portugal ser o país anfitrião.

O Programa Ibermuseus é uma iniciativa de cooperação dos 22 países ibero-americanos, com vista ao fomento e à articulação de políticas públicas na área de museus. Portugal é um dos países membros deste programa, fazendo parte do grupo de 11 países que integram o respetivo Comité Intergovernamental.

Programa (Português)

Programa (Castelhano)

Boletim electrónico de inscrição

Ficha de inscrição

Reabertura do Museu de Santo António

No passado dia 18 de Julho de 2014 foi reaberto ao público o Museu de Santo António, em Lisboa, após obras de ampliação e requalificação. A nova exposição permanente visa assinalar a vivência de Santo António não só em Portugal, mas no mundo, pelo que prevê a rotatividade de alguns dos seus núcleos. Nesta primeira mostra integram para além do espólio do Museu de Santo António, objectos de colecções públicas e privadas em Portugal, entre os quais objectos do Museu Nacional de Etnologia e Museu de Arte Popular. Até ao final do ano será possível encontrar entre esse conjunto, figurado de barro representativo de Santo António, designadamente, um Santo António pregando aos peixes cuja autoria se atribui a Mistério F.M. [MNE.3575]; um Santo António da autoria de Rosa Ramalho [MNE.3635]; Alminhas da autoria de Domingos Gonçalves Limas, conhecido pela alcunha de o Mistério [AT.731], e ainda um ex-voto de autoria desconhecida [MNE.6489]. Apresentam-se algumas fotografias do processo de montagem da referida exposição que contou com o apoio técnico de profissionais da Iterartis.

DSC00109 DSC00123 DSC00129

 

Visitas à Volta da Pesca | Ílhavo | 14 de Junho

Visita-Ílhavo

VISITAS À VOLTA DA PESCA | No próximo dia 14 de Junho, o MNE organiza uma visita a Ílhavo. Da parte da manhã, visitaremos uma empresa de transformação de bacalhau, no cais dos bacalhoeiros; de tarde, visitaremos o Museu Marítimo de Ílhavo, orientados pelo Professor Álvaro Garrido, do qual é consultor.

O preço de inscrição é 17€. Pagamento prévio, em numerário, no MNE.
Almoço no restaurante “Bela Ria”, do chef Jorge Pinhão, mediante marcação prévia no acto de inscrição (10€, pagamento no local).

Menu inclui:
Entradas – degustação de carinhas fritas com pataniscas e feijoada de samos
Prato principal – bacalhau à Confraria
Sobremesa – Leite creme ou aletria
Bebidas – vinho da casa, sumos, águas

07h30 partida do MNE
10h30 visita a uma empresa de transformação de bacalhau, no Cais do Bacalhoeiros
12h30 almoço
14h00 visita ao Museu Marítimo de Ílhavo, orientada pelo Professor Álvaro Garrido
16h00 pausa para café
17h00 partida para Lisboa
20h00 chegada ao MNE

Para mais informações:

Museu Nacional de Etnologia
Avenida Ilha da Madeira, 1400-203 Lisboa
213041160 | geral@mnetnologia.dgpc.pt | https://mnetnologia.wordpress.com/

MUSEU MARÍTIMO DE ÍLHAVO | O Museu Marítimo de Ílhavo (MMI) é um museu da Câmara Municipal de Ílhavo. Nasceu a 8 agosto de 1937, após um longo processo de gestação dinamizado por um grupo de amigos do Museu. Lugar de memória dos ilhavenses que o criaram, começou por assumir uma vocação etnográfica e regional. Em 2001 foi renovado e ampliado, passando a habitar num belo edifício de arquitetura moderna projetado pelo gabinete ARX Portugal. Nesse mesmo ano, o MMI passou a contar com o navio-museu Santo André, antigo arrastão bacalhoeiro. Recentemente, o MMI voltou a crescer e a qualificar-se. Em 2012, foi criada a sua unidade de investigação e empreendedorismo, o CIEMar-Ílhavo. Em 2013, passou a incluir um admirável Aquário de bacalhaus. O MMI é hoje um museu marítimo singular. A sua missão consiste em preservar a memória do trabalho no mar, promover a cultura e a identidade marítima dos portugueses. Museu, Aquário e Investigação resumem o atual Museu, uma instituição dedicada a todas as comunidades costeiras e aberta aos mais diversos públicos. O MMI é testemunho da forte ligação dos ílhavos ao mar e à Ria de Aveiro. A pesca do bacalhau nos mares da Terra Nova e Gronelândia, as fainas da Ria e a diáspora dos Ílhavos ao longo do litoral português são as referências patrimoniais do Museu. A cada um dos temas corresponde uma exposição permanente que oferece ao visitante a possibilidade de reencontrar inúmeros vestígios de um passado recente.
(http://www.museumaritimo.cm-ilhavo.pt/)

CAIS DOS BACALHOEIROS | “Porto Bacalhoeiro”, “Cais dos Bacalhoeiros” ou até, formalmente, Porto de Pesca do Largo é o terminal do Porto de Aveiro que serve os armadores de pesca do largo e as indústrias de processamento do pescado instaladas na Gafanha da Nazaré. Para além das 17 pontes-cais inclui um terminal especializado de descarga de pescado com 160 m de comprimento. Desde sempre a imponência dos navios, primeiro à vela e atualmente autênticas fábricas de transformação de peixe, captam o olhar do fotógrafo. Seja talvez pela calmaria das águas da Ria e pela bucolia da paisagem de fundo, por contraste com a robustez das embarcações e a presença dos armazéns das empresas de pesca, este local, aparentemente inóspito, capta a essência da vida da pesca no Mar Alto. É aqui que é descarregada a quase totalidade do pescado transportado pelos navios portugueses que operam no Atlântico Norte e o principal porto de pesca ao largo da Região Centro. É aqui que se concentram o maior número de empresas que se dedicam a esta pesca e é este, pois, o centro nevrálgico que faz com que o Município de Ílhavo seja a capital portuguesa do Bacalhau e que conta uma parte fundamental da história social e económica da região.
(http://www.cm-ilhavo.pt/)